A mulher e a misoginia em manuais religiosos

Lady Mary Wortley Montagu. Fonte: Google Images

“A mulher é o mais monstruoso animal de toda criação, de mau feitio e pior linguagem. Ter este animal em casa é o mesmo que procurar complicações em forma de mexericos, tagarelices, bisbilhotice maliciosa e controvérsia; porque, sempre que uma mulher está presente, parece impossível haver paz e tranquilidade. Não obstante, tudo isso se toleraria, se não fosse o perigo da lascívia…O pároco de Índios deve não só abster-se de empregar qualquer mulher na sua casa, como não autorizar nenhuma a lá entrar, ainda que de visita” Casimiro Dias, frade missionário agostinho, publicado em 1745 em Manual Parocho de Indios Instruido
****
C. R. Boxer, Professor Emérito de Português da Universidade de Londres e Professor Emérito em História da Universidade de Yale, em seu livro: A Mulher na expansão ultramarina Ibérica, período de 1415-1815, traz em seu 5º capítulo, Culto de Maria e a prática da misoginia, alguns fatos da formação social e cultural misógina que os pioneiros ibéricos trouxeram como bagagem mental e comportamental para as colônias. A convicção da inferioridade intelectual feminina era presente nos mais altos pensadores, teólogos e escritores da época.

Segundo Arnold Toynbee, todas as religiões ditas como superiores: Budismo, Cristianismo, Islamismo, Judaísmo, em maior ou menor grau, apresentam inúmeros trechos de suas obras cânones a inferioridade natural da mulher, sua sujeição legal e submissão justa e própria ao homem. Assim como, temos no artigo 312 do Código Napoleônico os dizeres: “a mulher pertence ao homem da mesma maneira que a groselheira pertence ao jardineiro”.

Diversas cartas, literaturas e documentações do século XVI ao XVIII carregam a convicção da superioridade masculina. Figuras célebres como o Fr. Francisco de Vitória O. P. considerado um dos fundadores do direito internacional e famoso por suas atitudes humanitárias aos ameríndios, não carregava dúvidas que as mulheres não deveriam ter acesso a conhecimentos profundos intelectuais.

” (…) é bem perigoso confiar a saúde mental das almas a uma pessoa incapaz de distinguir o que é bom e o que é mau para elas “

Qualquer um que procurar por literaturas ibéricas dos séculos XVI e XVII não terá dificuldade em achar escritos misogínicos garante, Boxer. Baltazar Gracián em seu famoso El Criticón, escreve: ” Diferentes tentações apoquentam o homem nas várias fases da vida, algumas quando jovem, outras na velhice, mas a mulher ameaça-o sempre. (…) Este inimigo universal está sempre a inquietar-nos”.

Dom Francisco Manuel de Mello escritor de “A carta de Guia de Casados (Lisboa 1651) advogava convictamente que às mulheres só deviam ser acessíveis as primeiras letras, e dizia ainda: ” o melhor livro é a almofada e o bastidor”. E C.R. Boxer observa: ” Se os homens tinham a tendência a acreditar na inferioridade das mulheres de seu próprio país, é mais do que possível que as coisas não ocorressem melhor nas colônias, especialmente em sociedades tão dependentes do trabalho escravo e de baixíssimo valor.”

Boxer ainda ressalta que “(…)os moralistas clericais nunca se cansaram de enaltecer a virgindade. (…) sendo também fervorosos advogados do culto da Virgem Maria que se propagou nas literaturas hagiográficas por séculos. O que, claramente, colocava a mulher na posição de boa ou má, santa ou prostituta. Além da virgindade e castidade, como qualidade indispensável a uma mulher. Juan Luis Vives, célebre humanista, escritor de Instruccíon de la mujer Cristiana, escreveu: “o adultério masculino não é tão pecaminoso quanto o feminino, porque enquanto um homem leva uma vida ativa e tem de guardar muitos valores, a mulher só tem de guardar a castidade”
Salvador de Madariaga e Gregório Marañon, escritores famosos espanhóis, salientam ser perfeitamente normal a mulher aceitar essa posição de inferioridade, sendo algo original e da natureza da mulher, (…) e que isso é senão a instintiva fidelidade às leis da Natureza”. Novamente a ideia de que a inferioridade e obediência se deve a algum fator biológico.

Ainda Fr. Luis de Granada O.P. em carta à vice-rainha de Nápoles, em 1578, respondia que as mulheres deviam conter os ciúmes por parte de traições dos maridos com “obediência, paciência, ouvir missas e dar esmolas”.

Entre tantos relatos de misoginia e o tratamento da mulher como uma propriedade e algo menor, temos as que já nadavam contra a corrente como Lady Mary Wortley Montagu* que em uma carata que escreve à filha em 1710, contrariando o que disse ao Bispo Burnet: ” Estou tentada a pensar ( se me autorizam a pensar) que a Natureza não nos fez inferiores aos homens, tal como acontece no reino animal, onde não se vêem distinções de capacidade entre o macho e a fêmea, embora esteja persuadida a acreditar que se houvesse uma comunidade de cavalos, seria norma aceite entre eles que as éguas não podiam ser ensinadas a galopar”, aqui em tom irônico sobre a mentalidade machista da época.


*aristocrata, escritora, poeta inglesa e feminista inglesa. Montagu é mais lembrada pelas cartas, particularmente as Cartas da Turquia, as quais foram descritas, por Billie Melman, como “o primeiro exemplo de um trabalho secular escrito por uma mulher sobre o Oriente Muçulmano”.

Autora Carla Mello.


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search