“Não se nasce mulher, morre-se” ¹: ecos entre a política do esquecimento na ditadura argentina e na democracia pela perspectiva de gênero





É uma condição quase inescapável ser mulher; definir-se encontra duas vias principais: a antítese, o que não é ser mulher; e o sofrer, violentada e violada apenas por ser mulher. Nos sentimos como Selva Almada, autora do livro Garotas Mortas, que relatou três casos de feminicídio durante o processo de transição democrática argentina, “sentadas de frente para um abismo, esperando que por sorte alguém não nos empurre”. Não espere, portanto, um livro  comum de investigação policial com  resoluções, mas sim a materialização do significado de feminicídio. É tão cruel quanto real o estado de guerra em que as mulheres se encontram, constantemente em alerta e aprendendo que se existe uma ‘intuição feminina’, ela se chama medo. Não há lugares seguros. Paula Meotti foi estuprada enquanto estava na UTI, uma adolescente de 16 anos foi estuprada por 33 homens, que na foto para imprensa sorriem e fazem ‘joinha’. 

Ainda jovem, Selva Almada, autora do livro e também personagem que nos conduz em uma busca pela verdade, sofre uma epifania. Mergulhada nas notícias e sensacionalismos diários, o pandêmico assassinato de mulheres se figuram como um acidente da natureza maléfica de alguns homens, sendo noticiados como ruídos do cotidiano, mas a autora compreende a mediocridade do cenário: homens medianos em lugares comuns. A anormalidade e similaridade dos casos encontram-se na recorrente presença de homens em reduzir mulheres a corpos vazios e penetráveis. Respaldados por uma cultura putrefata que se finge sã, que trata como providência divina  metade do mundo ser usado como uma subespécie serviente, seja pelo trabalho da mulher como fonte de exploração, seja pela domesticação de seu comportamento uma inexorável necessidade forçada de ser plástica esteticamente e religiosamente implacável.

O livro condensa a ida da autora até os locais onde ocorreram os feminicídios em busca de informações, descobrindo que algumas pessoas ainda lutam pela busca de justiça e verdade, e outras se fecharam completamente. Para os menos próximos das garotas assassinadas, as histórias são como mitos inerentes à cidade, e não são mais tratados com solene indignação. No livro, as estatísticas são deixadas de lado porque elas são frias demais. Existe uma sutileza gritante entre o assassinato de mulheres e homens. Quando mulheres são mortas por homens, o corpo em que habitam resume exclusivamente o que elas são, toda vida, subjetividade e humanidade de cada mulher é destruída. Como um olhar vulcânico que as olha de baixo para cima e as sequestram nos milésimos de segundos que as petrificam. É impossível seguir vivendo enquanto muitos homens nos olham como se fôssemos insetos; ou quando suas mãos sujas violam e matam qualquer uma de nós. Como aconteceu em um episódio de experiência pessoal relatado pela própria autora no livro, quando a mesma foi assediada sexualmente por um homem que ofereceu carona.

Foto: Reprodução

Não há na obra uma linha cronológica de acontecimentos, intercalam-se lembranças e pensamentos da própria autora e sua vida, com a narração descritiva da jornada pela verdade, no entanto, esse tipo de escolha não torna o texto confuso. A memória de Selva se encontra com a memória das outras mulheres do livro e vice-versa. O livro Garotas Mortas não pretende ser sensacionalista ou exaustivo no assunto do feminicídio, nem ser uma espécie de “propaganda contra ideológica de gênero”², mas impele o leitor a ver as sutilezas que são tão vívidas para as mulheres.

Publicado em 2014, originalmente como Chicas muertas, o livro apresenta como protagonistas, que infelizmente ficaram conhecidas por suas mortes.  Andrea Danne, 19 anos, foi apunhalada no coração enquanto dormia e não se sabe quem foi o autor do crime; Maria Luísa Quevedo, 15 anos, estuprada e estrangulada, não tiveram piedade nem depois de sua morte, pois foi jogada num terreno baldio, o suspeito apontado pela família é Jesús Gómes, que foi dono de uma empresa de ônibus; e Sarita Mundín, 20 anos, desaparecida, foi vista pela última vez com seu amante, Dady Olivero.

Andrea Danne, 19. Foto: Reproduçao

Os assassinatos se passam em meados da década de 80 na Argentina,  já havia visto no alto escalão da política, mulheres como Eva Duarte, primeira-dama (entre 1946 e 1952) e esposa de Péron que governou a Argentina, não consecutivamente entre 1946 e 1974. Evita possuía uma política assistencialista e foi transformada na imagem da mãe e da santa, imagem gerada e emulada pelo peronismo. Eva era também ligada ao sufrágio, e mesmo que sua política colocasse a questão das mulheres como um ponto de preocupação, e Eva fosse um elemento de representatividade para as mulheres, ela se tornou um agente paliativo e não emancipador,  suas políticas não encontraram ou solucionaram os anseios das mulheres argentinas.

Uma das grandes reflexões que o livro gera é o desconforto do descolamento entre a promessa e o cotidiano; nesse caso, a redemocratização argentina não deixava espaço nos jornais pra crimes hediondos. Uma excludência para “o bem comum”. A política do esquecimento na democracia refletia o que ela buscava não ser: a ditadura, na sua urgência em querer se esquecer. Essa postura criou um hiato entre o passado envergonhado e o presente esperançoso e conformado. A memória subterrânea de pessoas ligadas aos casos, ou que não concordam com a impunidade diante do sofrimento humano, resistem respirando com dificuldade, apenas pela esperança de justiça no presente, mesmo que seja ao menos, retumbando as vozes e as histórias que permanecem no limbo, esperando.

A recordação da violência extrema, tanto como no assassinato por extermínio de opositores políticos, como no assassinato por ódio ao outro, é algo da esfera pública de um povo. A memória coletiva bebe da memória individual e vice-versa, e nesse caso as disputas se dão em vários âmbitos: como memória subversiva que combate o próprio esquecimento e pela incredulidade das ações dos aparelhos oficiais estatais de justiça, competindo com outras memórias subterrâneas. Nas cenas finais do livro, o povo está na rua com ares comemorativos, figuras políticas sorridentes e no meio da multidão a família Quevedo ziguezagueando, procurando desesperadamente alguma pista sobre Maria Luísa, mas o fervor das ruas é irreverente aos problemas mundanos. Mais uma mulher que virou estatística.

A redemocratização era uma realidade, assim como os desaparecidos e seus túmulos vazios, que carregavam seus nomes mas sem corpos, todos vítimas do regime ditatorial argentino. Eles também fazem parte de longas listas, existindo um anseio em torná-los nomeáveis, com história e rosto para que possam ser lembrados. Em ambos os casos, há sofrimento e uma disputa pelo protagonismo memorial, seja devido a uma estratégia de Estado, seja por problemas estruturais. As dores, em ambos os contextos não são comparáveis, pois não é ético de um historiador fazê-lo. O livro, no entanto, traz como pano de fundo o cenário político interno da Argentina que tangencia também o cotidiano da violência estruturada no ódio às mulheres. A autora não é desatenta a essa grande transformação política do país, mas aponta para o descompasso desse progresso com a realidade das cidadãs argentinas que viram seus anseios de se viver sem medo serem secundarizados na grande política.

A memória é um objeto tensionado durante toda a obra. Atua no que se refere às vítimas de duas formas essenciais, como documento-prova, tendo assim a memória o papel de subverter os discursos oficiais que desapareciam com os próprios desaparecidos, e a própria memória como um documento de prova judicial, mesmo que nem sempre seja possível levar a essa instância. As investigações e anseios por soluções dos crimes são parte do processo de busca pela justiça e honra da memória, mas os laudos burocratas e técnicos não são suficientes para estancar o ressentimento. “Sobre uma cama de madeira de 190cm de comprimento por 90cm de largura e 50cm de altura, posicionada junto à parede do quarto de face oeste, com a cabeceira junto à parede de face sul e encostada em ambas as paredes, encontra-se o corpo da srta. María Andrea Danne(…)” p.45.

Revelar essas histórias é destruir o caráter unicamente de um corpo objetificado que as vítimas têm, ou seja, é reafirmar que as mulheres não são carnes que os olhos dos homens devoram. É subverter a lógica de “deixar no passado, pois já foi”, porque o tempo não pode acolher o esquecimento, essa é uma forma injusta e desrespeitosa de superação do passado. O abafar ou escancarar a informação é um campo de disputa ora protagonizado pelo aparato policial ineficaz, ora pela mídia, o que torna a violência de gênero uma moeda de troca, cujo preço é visto como aceitável. Nessa balança assimétrica, estão às vozes de familiares ou compadecidos que usam sua memória para fazer o impossível, ou seja, ser a voz do outro que já não existe mais; e nós, como profissionais da memória, precisamos lembrar. 

¹ OTTO, Isabella. ‘Não se nasce mulher, morre-se’: a história de 3 amigas e um TCC sobre feminicídio no Brasil. 27 de novembro de 2015. Disponível em:

http://www.compromissoeatitude.org.br/nao-se-nasce-mulher-morre-se-a-historia-de-tres-amigas-e-um-tcc-sobre-feminicidio-no-brasil-capricho-27112015/ acesso em 17/11/2019 às 19h50

² Em suma, ideologia de gênero é uma expressão pejorativa usada por conservadores e extremistas para deslegitimar os estudos de gênero. Segundo eles, há uma doutrinação contra crianças e jovens, e a ideia de que gênero é um conceito construído foi inventada para destruir “famílias cristã”, no entanto, “ideologia de gênero” não existe de fato. 

Fontes

ALMADA, Selva. Garotas Mortas. Todavia. São Paulo, 2018.

MAZÓN, Selene. Literatura y feminismo: Selva Almada. Gato pardo. México. 15 de julho de 2019. Disponível em: https://gatopardo.com/arte-y-cultura/literatura-y-feminismo-selva-almada/ acesso em 19/11/2019 às 10:03

OTTO, Isabella. ‘Não se nasce mulher, morre-se’: a história de 3 amigas e um TCC sobre feminicídio no Brasil. 27 de novembro de 2015. Disponível em:

http://www.compromissoeatitude.org.br/nao-se-nasce-mulher-morre-se-a-historia-de-tres-amigas-e-um-tcc-sobre-feminicidio-no-brasil-capricho-27112015/ acesso em 17/11/2019 às 19h50

SANTOS, Philipe. Estupro na UTI: família descobriu que jovem foi abusada após sepultá-la. São Paulo. 30 de maio de 2019. Disponível em: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/brasil/2019/05/30/interna-brasil,758829/estupro-na-uti-familia-descobre-que-jovem-foi-abusada-apos-sepulta-la.shtml acesso em 24/11/2019 às 12:54

Histórico da ditadura civil-militar na Argentina. Memória e resistência. 2017. Disponível em:

http://www.usp.br/memoriaeresistencia/?page_id=239 acesso em 17/11/2019 às 20:01

Entenda o caso do estupro coletivo de adolescente. 2016. Disponível em: https://infograficos.oglobo.globo.com/rio/entenda-o-caso-do-estupro-coletivo-de-uma-menor.html#3 acesso em 24/11/2019 às 12:58

Bibliografia

ARAÚJO, Maria Paula Nascimento; SANTOS, Myriam Sepúlveda dos. “História, memória e esquecimento: Implicações políticas”. Revista  Crítica de Ciências Sociais, 79. 2007, p.95-111

DURAN, Maria Renata da Cruz. BENTIVOGLIO, Julio. “Paul Ricoeur e o lugar da memória na historiografia contemporânea”. Dimensões, vol. 30, 2013, p. 213-244.

FEDERICI, SILVIA. Calibã e a Bruxa. Editora Elefante. São Paulo, 2017.

FERREIRA, Marieta de Moraes. “Dicionário de ensino de História”. FGV Editora. São Paulo, 2019. P.155-161

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Tradução de Beatriz Sidou. 2ª ed. São Paulo: Centauro, 2013.

POLLAK, Michael. Memória, Esquecimento, Silencio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 2, n. 3, 1989, p. 3-15.

ROLLEMBERG, Denise. “Esquecimento das memórias”. João Roberto Martins Filho (org.). O golpe de 1964 e o regime militar. São Carlos: Ed.UFSCar, 2006, pp. 81-91).

SARLO, Beatriz. “Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva”. Companhia das letras. São Paulo, 2007.


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search