CARTA ABERTA À COMUNIDADE USP

São Paulo, 4 de maio de 2020.

Nós, docentes-mulheres atuantes na USP, gostaríamos de nos pronunciar a respeito da pressão pela manutenção irrestrita das atividades-fim da universidade. Salientamos que, em tempos de normalidade, para conduzirmos adequadamente nossas atividades na USP, costumamos contar com uma série de recursos que nos auxiliam no gerenciamento de nossas atividades domésticas, historicamente relegadas às mulheres. Temos uma estrutura organizada, o que torna possível a manutenção das casas e das famílias em nossas horas de trabalho. Além disso, em relação àquelas que têm filhos, contamos com as unidades de ensino, que recebem nossas crianças enquanto trabalhamos.

Neste momento de isolamento, porém, somos solicitadas a cuidar de nossas famílias, nucleares e estendidas: filhos, pais e avós idosos, que compõem o principal grupo de risco da doença, dando-lhes a assistência necessária do ponto de vista material e emocional. Além disso, no geral, devido à maneira como nossa sociedade brasileira é estruturada, as mulheres ainda são as principais responsáveis pelas tarefas domésticas, que, neste momento, não podem ser negligenciadas, uma vez que, na prevenção da CoViD-19, a limpeza e a higiene são apontadas como os recursos mais eficientes. No caso das mães de crianças e adolescentes, são acrescidas às atividades domésticas o encargo de cuidar das inúmeras atividades escolares que pululam em diferentes plataformas educacionais virtuais. Trata-se de uma demanda criada pela atual situação de isolamento somada à incapacidade social de perceber que não é possível exigirmos normalidade a um aluno e a sua família em uma situação de extrema e inédita anormalidade. Ainda que haja entre nós aquelas que residam e se mantenham sozinhas, em diferentes idades, a atual situação de insegurança social não parece oferecer condições para que a mulher consiga compartilhar as tarefas domésticas com alguém. 

Frisamos que atualmente não há normalidade nas rotinas das famílias e, mais especificamente, na rotina das mulheres-docentes da USP. Em tempos de normalidade, costumamos dedicar grande parte de nossas horas diárias às atividades de docência e pesquisa. Neste momento, os filhos estão em casa sob nossos cuidados durante todo o dia;  os pais e os avós precisam receber de nós alimentos, remédios, vacinas, além de apoio psíquico, pois são os que mais isolados estão e os mais afetados emocionalmente, por serem o grupo de risco da doença. Isso se intensifica nos núcleos familiares em que a mulher comanda tudo sozinha, seja por viver só com os filhos, seja por uma dinâmica de comportamento mais tradicional, em que o homem não ocupa esse papel de cuidador nem participa da manutenção das atividades domésticas. 

Nesse sentido, gostaríamos de solicitar aos nossos dirigentes e colegas sensibilidade ao período que vivemos. É necessário levar em conta, em especial, a anormalidade da rotina das mulheres e verificar que, neste momento, é inviável solicitar a qualquer um, mas principalmente a elas, que siga com suas atividades regulares e, mais que isso, que tenha ainda mais comprometimento de seu tempo com a adaptação de seus cursos às atividades remotas e com metas de produtividade, em termos de publicações, como as que eram esperadas no período anterior ao da pandemia.

Cabe destacar que muitas dessas afirmações valem também para as mulheres funcionárias e estudantes da USP. 

No que se refere às estudantes, é necessário reafirmar que as realidades de nossos cursos são muito diversas e, não raro, há, entre nossos discentes, mulheres que têm filhos ou que são responsáveis pelos cuidados de seus pais e pessoas idosas da família. Assim sendo, solicitar a elas que conduzam normalmente seus estudos também é, no mínimo, uma atitude insensível e injusta. Em um momento de extrema vulnerabilidade, é colocá-las em desigualdade em relação a estudantes que ainda não tenham tais responsabilidades. Sem contar aqueles, estudantes mulheres e homens, que não têm facilidade de acesso à internet, muito menos a dispositivos e ambientes adequados para o estudo.

Ainda a esse respeito, vale lembrar a situação extremamente precária a que estão submetidas as mães do Crusp, como amplamente divulgado na mídia e nos diferentes fóruns da universidade. Há muitas mães que, além de alunas, são também estagiárias em diversas unidades. Assim, a demanda de seguir o curso online se soma à das atividades profissionais, em um cenário de verdadeira calamidade social que enfrentam por sua condição de moradia e por serem mulheres.

Nosso trabalho,  não somente neste período de isolamento social, mas especialmente neste período, é fortemente impactado por questões de gênero (e também de raça/etnia, geração, condições cotidianas de existência e outros). Gostaríamos de saber se avaliações deste período, por exemplo, apresentarão resultados distintos por gênero, dadas as circunstâncias aqui apresentadas. Neste sentido, gostaríamos de indagar igualmente se há alguma política ou, preferencialmente, uma política atrelada a um conjunto de ações propostas a nível institucional, considerando o imenso contingente de mulheres que compõem a Universidade e os pontos aqui levantados. Caso essa política ainda não esteja em discussão, indagamos como ela poderia ser elaborada e direcionada em um conjunto de operações para este período. A dinâmica de cuidados, notadamente realizada por mulheres, estende-se também para outros aspectos da universidade.  

Por fim, gostaríamos de afirmar que, diante do momento difícil e extraordinário pelo qual passamos, é necessário reconhecer que a USP não é uma realidade à parte da sociedade, ao contrário, está inserida nela, e, assim sendo, seus integrantes – professoras, professores, funcionárias, funcionários, alunas e alunos – vivenciam e são afetados pelos problemas e pelas dificuldades que nela ocorrem e que dela decorrem. Esperamos que a USP, neste período tão conturbado de nossas vidas, não afirme veladamente a nós, mulheres que atuamos em todas as atividades-fim desta instituição e também em cargos de gestão, que este não é o nosso lugar. 

Mariângela de Araújo (FFLCH)

Beatriz Daruj Gil (FFLCH)

Flaviane Romani Fernandes Svartman (FFLCH)

Maria Clara Paixão de Sousa (FFLCH)

Vanessa Martins do Monte (FFLCH)

Rede Não Cala! – Rede de Professoras e Pesquisadoras pelo Fim da Violência Sexual e de Gênero na USP

Apoiadoras e Apoiadores:

  1. Adrián Pablo Fanjul (FFLCH)
  2. Adriana Marcondes Machado (IP)
  3. Adriana P. B. Tufaile (EACH)
  4. Alline Cristina Campos (FMRP)
  5. Ana Barone (FAU)
  6. Ana Claudia Rocha Marques (FFLCH)
  7. Ana Claudia Veiga de Castro (FAU)
  8. Ana Cristina Zimmermann (EEFE)
  9. Ana Estela Haddad (FOUSP)
  10. Ana Fani (FFLCH)
  11. Ana Flávia Pires Lucas d’Oliveira (FMUSP)
  12. Ana Gonçalves Magalhães (MAC)
  13. Ana Lúcia Pastore Schritzmeyer (FFLCH)
  14. Ana Luiza Vilela Borges (EE)
  15. Ana Paula Cavalcanti Simioni (IEB)
  16. Ana Paula Pacheco (FFLCH)
  17. André Singer (FFLCH)
  18. Annie Schmaltz Hsiou (FFCLRP)
  19. Beatriz Perrone-Moisés (FFLCH)
  20. Beatriz Raposo de Medeiros (FFLCH)
  21. Bernardo Ricupero (FFLCH)
  22. Biancha Angelucci (FEUSP)
  23. Briseida Dogo de Resende (IP)
  24. CANIBAL (Grupo de Antropologia do Caribe Global)
  25. Carmen Simone Grilo Diniz (FSP)
  26. Celso Eduardo Lins de Oliveira (FZEA)
  27. Centro de Estudos Socioculturais – EEFE-USP
  28. CERNe (Estudos de Religiosidades Contemporâneas e das Culturas Negras)
  29. César Simoni Santos (FFLCH)
  30. CeSTA – Centro de Estudos Ameríndios – FFLCH
  31. Christina Brech (IME)
  32. Cibele Maria Russo Novelli (ICMC)
  33. Claudia Lago (ECA)
  34. Cláudia Pereira Vianna (FEUSP)
  35. COLETIVO ASA (Grupo de Pesquisa em Artes, Saberes e Antropologia)
  36. Cristiane S. Cabral (FSP)
  37. Cristina Wissenbach (FFLCH)
  38. Déborah de Oliveira (FFLCH)
  39. Deisy de Freitas Lima Ventura (FSP)
  40. Diretoria e Grupo de Trabalho sobre Diversidades da Adusp 
  41. Diversitas – Núcleo de Estudos das Diversidades, Intolerâncias e Conflitos
  42. Dominique Tinkin Gallois (FFLCH)
  43. ECOAR- Estudos em Corpo e Arte
  44. EDGES – Grupo de Estudos de Gênero, Educação e Sexualidade da Faculdade de Educação
  45. Eduardo Brandão (FFLCH)
  46. Elis de Almeida Cardoso Caretta (FFLCH)
  47. Elisabeth Meloni Vieira (FMRP)
  48. Elisabetta Santoro (FFLCH)
  49. Elizabete Franco Cruz (EACH)
  50. Elizabeth Harkot de La Taille (FFLCH)
  51. ETNO-HISTÓRIA (Antropologia e História)
  52. Eucenir Fredini Rocha (FMUSP)
  53. Eunice Ostrensky (FFLCH)
  54. Ieda Maria Alves (FFLCH)
  55. Fabiana Faleiros (EERP)
  56. Fernanda Arêas Peixoto (FFLCH)
  57. Fernanda Padovesi Fonseca (FFLCH)
  58. Flavio Aguiar (FFLCH)
  59. Francirosy Barbosa (FFCLRP)
  60. Fraya Frehse (FFLCH)
  61. GAIA (Antropologia Jurídica, Agrária e Ambiental)
  62. GEAC (Antropologia da Cidade)
  63. GEMAS – Gênero e Evidências em Maternidade e Saúde
  64. GEPS – Grupo de Estudos de Política e Subjetividades 
  65. Giliola Maggio (FFLCH)
  66. Gisele S. Craveiro (EACH)
  67. Gislene Aparecida dos Santos (EACH)
  68. Gloria da Anunciação Alves (FFLCH)
  69. GRAVI (Antropologia Visual)
  70. Heitor Frugoli (FFLCH)
  71. Hélder Garmes (FFLCH)
  72. Helene Mariko Ueno (EACH)
  73. Heloisa Buarque de Almeida (FFLCH)
  74. HYBRIS (Relações de Poder, Conflitos, Socialidades)
  75. Iris Kantor (FFLCH)
  76. Jaroslava Varella Valentova (IPUSP)
  77. Joana Mello de Carvalho e Silva (FAU)
  78. João Felipe Gonçalves (FFLCH)
  79. João Zanetic (IF)
  80. John C. Dawsey (FFLCH)
  81. Jorge Grespan (FFLCH)
  82. José Guilherme Magnani (FFLCH)
  83. José Miguel Nieto Olivar (FSP)
  84. Julio de Assis Simões (FFLCH)
  85. Lab_Arte – FE-USP
  86. LabNAU (Núcleo de Antropologia Urbana) – FFLCH
  87. Lab_Outros (Laboratório para Outros Urbanismos) – FAU
  88. LabRaça – FAU-USP
  89. LAPOD – FFLCH
  90. Laura Camargo Macruz Feuerwerker (FSP)
  91. Laura Moutinho (FFLCH)
  92. Leny Sato (IP)
  93. Lenita Maria Rimoli Pisetta (FFLCH)
  94. Lilia Blima Schraiber (FMUSP)
  95. Lilia Moritz Schwarcz (FFLCH-USP/Princeton)
  96. Lilian Gregory (FMVZ)
  97. Luciana Carvalho Fonseca (FFLCH)
  98. Luciana Suarez Galvão (IEB)
  99. Luciana Viviani (EACH)
  100. Lucília Daruiz Borsari (IME)
  101. Luís César Oliva (FFLCH)
  102. Manoel Fernandes de Sousa Neto (FFLCH)
  103. Manoel Gonçalves Correa (FFLCH)
  104. Manoel Mourivaldo Santiago Almeida (FFLCH)
  105. Manuela Carneiro da Cunha (FFLCH)
  106. Marcia Thereza Couto (FMUSP)
  107. Márcia Lima (FFLCH)
  108. Márcia Santos Duarte de Oliveira (FFLCH)
  109. Marcio Ferreira da Silva (FFLCH)
  110. Marcos Bernardino de Carvalho (EACH)
  111. Marcos Natali (FFLCH)
  112. Marcos Silva (FFLCH)
  113. Maria Clara Di Pierro (FEUSP)
  114. Maria Cláudia Badan Ribeiro (FFLCH)
  115. Maria Cristina da Costa Marques (FSP)
  116. Maria Fernanda Tourinho Peres (FMUSP)
  117. Maria Helena Pereira Toledo Machado (FFLCH)
  118. Maria Luisa Sandoval Schmidt (IP)
  119. Maria Teresa Celada (FFLCH)
  120. Marília Pinto de Carvalho (FEUSP)
  121. Marília Velardi (EACH)
  122. Marina Peduzzi (EE)
  123. Marina Vanzolini (FFLCH)
  124. Marly Augusto Cardoso (FSP)
  125. Marta Amoroso (FFLCH)
  126. Marta Inez Medeiros Marques (FFLCH)
  127. Michele Schultz (EACH)
  128. NADIR (Antropologia do Direito)
  129. NAPEDRA – Núcleo de Antropologia, Performance e Drama (PPGAS/USP)
  130. NÓS – Grupo de Estudos sobre Feminismos
  131. Neide T. Maia González (FFLCH)
  132. NUMAS (Marcadores Sociais da Diferença)
  133. Olga Coelho (FFLCH)
  134. Olinda do Carmo Luiz (FFLCH)
  135. PAM (Pesquisas em Antropologia Musical)
  136. Patricio Tierno (FFLCH)
  137. Paula Marcelino (FFLCH)
  138. Paula Renata de Araújo Coelho (FFLCH)
  139. Paulo Roberto Gonçalves Segundo (FFLCH)
  140. Pedro Cesarino (FFLCH)
  141. Priscila Loyde G. Figueiredo (FFLCH)
  142. Projeto M.A.P. – Mulheres na América Portuguesa (FFLCH)
  143. Régia Oliveira (EACH)
  144. Religiões, Secularismo e Esfera Pública no Brasil Contemporâneo
  145. Renata Bertazzi Levy (FMUSP)
  146. Renato da Silva Queiroz (FFLCH)
  147. Renato Sztutman (FFLCH)
  148. Ricardo da Cunha Lima (FFLCH)
  149. Robert Sean Purdy (FFLCH)
  150. Roberta Barni (FFLCH)
  151. Robson Cesila (FFLCH)
  152. Rosa Wanda Diez Garcia (FMRP)
  153. Rosangela Gavioli Prieto (FEUSP)
  154. Rosangela Sarteschi (FFLCH)
  155. Rose Satiko Hikiji (FFLCH)
  156. Silvana de Souza Nascimento (FFLCH)
  157. Silvana de Souza Ramos (FFLCH)
  158. Silvia Pereira de Castro Casa Nova (FEAUSP)
  159. Sirlei Daffre (ICB)
  160. Soraia Chung Saura (EEFE)
  161. Stelio Marras (IEB)
  162. Suzana Salem (IF)
  163. Sylvia Caiuby Novaes (FFLCH)
  164. Tercio Redondo (FFLCH)
  165. Tessa Lacerda (FFLCH) 
  166. Vagner Gonçalves da Silva (FFLCH)
  167. Vera Paiva (IP)
  168. Vima Lia de Rossi Martin (FFLCH)
  169. Wagner Costa Ribeiro (FFLCH)
  170. Waldir Beividas (FFLCH)

O texto foi originalmente publicado em: https://docs.google.com/document/d/1yldDH3EVIC3-Jd5AoZFUrncq3806RVXvT3_VI2fB0tk/edit

Foto: Ana Carolina Hanada. http://www.jornaldocampus.usp.br/index.php/2017/12/desvie-ai/


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search