Ser freira na América Portuguesa

Convento de Santa Clara do Desterro
Fonte: https://taba.arq.br/portfolio/convento-do-desterro/
Autoria de Imagem atribuída: Felipe Tapioca

O período do Brasil Colônia é o recorte de nosso estudo dentro do projeto M.A.P.: Mulheres da América Portuguesa. E tentando remontar a história das mulheres que povoaram a Colônia, não poderíamos deixar de estudar as freiras desse período. O artigo de Maria José Rosado Nunes – Freiras no Brasil – traça um panorama dessa trajetória que evidencia como a coroa portuguesa lidava com as mulheres religiosas no território brasileiro.

Estabelecer conventos não era a prerrogativa inicial da política colonial portuguesa no Brasil. Isso geraria custos e a ideia central era a exploração das riquezas naturais da colônia e não investir em seu povoamento. Isso muda de acordo com os rumos históricos que tomam Portugal, e por volta do século XVII, com as mudanças sociais e econômicas que aconteceram devido a indústria açucareira no Brasil, em 1677 temos o primeiro convento estabelecido na Bahia, o Convento de Santa Clara do Desterro, patrocinado pelos senhores de engenho que buscavam prestígio social com esse tipo de investimento.

Mesmo depois disso, até o século XVIII as ordens do Reino eram restritas para o estabelecimento de conventos para mulheres. As razões de se estabelecer ou não conventos estavam no centro da política demográfica portuguesa para a Colônia, e a proibição ou a autorização dependia dos interesses políticos e econômicos de ocasião.

Para ser freira era preciso ser uma mulher branca e ter dinheiro para pagar o dote de entrada do convento. Mulheres negras, índias e mestiças eram proibidas de serem religiosas.

As razões das restrições e diversos pedidos negados de abertura de conventos femininos eram principalmente pela escassez de mulheres brancas na Colônia, fato conhecido da coroa pois o concubinato dos portugueses com índias e negras era regra. A mestiçagem aparece como preocupação em diversos documentos entre Colônia e Metrópole pois os portugueses queriam que fossem gerados no Brasil crianças brancas de sua raça e classe, por isso os conventos eram uma ameaça a essa política.

Diversas casas religiosas chamadas de recolhimentos foram criadas e existiram de maneira ilegal, onde viviam além de mulheres brancas, mulheres mestiças e negras em vida religiosa. Em outras documentações a autora cita cartas entre Brasil e Portugal em que era solicitado o envio de órfãs e mulheres em situação de pobreza e miséria para a colônia para que ajudassem no processo de branqueamento da sociedade. Essas são algumas das diversas histórias que remontam a trajetória das mulheres religiosas dentro da colônia que aparecem nesse artigo de Maria José Rosado Nunes, que pode ser lido no livro, História das Mulheres no Brasil, com autoria de diversos pesquisadores do tema e com a organização de Mary Del Priore.

Para citar este post: Carla Angelino Di Lorenzo Midões de Mello. Ser freira na América Portuguesa, em Blog M.A.P., 16/11/2019. Acessado em 29/09/2021. Disponível em https://mapusp.hypotheses.org/95.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search